jump to navigation

New Super Mario Bros. 2 23/10/2012

Posted by vinivendra in Uncategorized.
add a comment

Yo!

Dando continuidade à minha série de Mario’s, venho chamar as atenções ao New Super Mario Bros. 2 (NSMB2). Saibam vocês que nessa crítica o jogo será comparado a outros títulos mais famosos, conforme conveniente, como Super Mario World, de SNES/GBA, o Super Mario Paper, de Wii, o Super Mario 3D Land de 3DS e o New Super Mario Bros. (1), de NDS/Wii, então se você não conhece nenhum deles, VÁ COMPRÁ-LOS AGORA  talvez queira ver alguns segundos de vídeos no youtube para pegar a ideia da coisa.

NSMB2, como quase todo jogo hoje em dia, pode ser visto tanto como obra de arte quanto como objeto de entretenimento. Nenhum dos pontos de vista tem menos valor, e eles não devem ser vistos como opostos; são apenas diferentes, e a diferença é chave nesse jogo específico. Como obra de arte, NSMB2 fica num lugar estranho; como objeto de entretenimento, ele ainda é valiosíssimo.

Não há o que inventar de 3D aqui

A primeira coisa que todo mundo repara ao pegar um jogo novo de 3DS é a parte do 3D, com as ideias de “Será que é bom?”, “Será que é confuso?”, “Será que eu vou ter dor de cabeça?” e “Será que vai chover é útil?”. Esse é um dos pontos mais desconcertantes no NSMB2: o 3D, para todos os efeitos e propósitos, não existe.

É lógico que, na verdade, ele existe. Só não faz nenhuma diferença prática. Como o jogo é um platformer 2D, percebe-se que a Nintendo mal tentou colocar algo na terceira dimensão; o plano de fundo está a 2 milímetros de distância do plano da frente, e tudo é feito em layers. Para uma empresa que inventou um jeito de fazer a franquia do Super Mario Paper usar 3D de formas impressionantes e que, um ano antes, nos deu Super Mario 3D Land, isso deixa a desejar. O único efeito real que se percebe é que o fundo começa a ficar levemente borrado, o que até dá uma sensação de distância, apesar de te impedir de apreciar a arte do fundo, que está realmente boa.

Coins… Coins everywhere…

Nesse sentido, o jogo é bem melhor que seu antecessor. É como se ele aproveitasse a forcinha extra que o processador do 3DS dá para ultrapassar as poucas barreiras que faltaram no título de DS. O cenário está vibrante, as cores estão ótimas, tudo o que se esperava de um verdadeiro título da Nintendo. E aí mora o segundo problema.

O jogo é exatamente aquilo que se espera de um título da Nintendo, de tal forma que você sabe exatamente o que está comprando. Isso deixa aquele “algo novo” faltando, como se NSMB2 fosse igual ao primeiro, mas com alguns patches para melhorar os gráficos e DLCs para enfiar mais conteúdo. A única coisa realmente nova que foi inserida no jogo é o foco nas moedas, e mesmo isso deixa um pouco a desejar.

O novo power-up OP transforma tudo em uma área ao redor do impacto em moedas

O jogo gira todo em torno disso: moedas, ouro, dinheiros infinitos. Em alguns casos, como no Coin Rush Mode, isso é muito divertido; mas algumas coisas são bem falhas. Como exemplo: toda vez que o Mario volta para o mapa do mundo, o jogo mostra na sua cara quantas moedas você já coletou até agora. O problema é que a cada vez que se vai numa fase (ganhando ou perdendo) ele adiciona o total de novo, de modo que para alcançar o máximo basta fazer a mesma fase de novo e de novo. O máximo é um número absurdo, e deve levar tempo a ser alcançado, o que é bom para mostrar quem realmente joga o jogo; ainda assim, ele é um medidor de paciência, não de habilidade.

O Tanooki suit branco volta para te salvar nos momentos noobs

Apesar de tudo, esse é um título que realmente se dá bem quando se pensa no entretenimento. New Super Mario Bros. era um ótimo jogo, e seu sucessor, por carregar quase exatamente a mesma fórmula, também é. São inúmeras fases extremamente divertidas, com toda a esperteza por trás dos designs de levels que estamos acostumados a ter. Quando alguém compra esse jogo é porque já sabe que gosta de voltar para as fases procurando a terceira moeda de estrela, de sair por procurando qualquer falha que pareça intencional no cenário para achar mais um caminho secreto, tudo para salvar a princesa no oitavo castelo e ter um 100% no save file do menu – e é exatamente isso o que ele entrega.

Os vilões (épicos) do Super Mario World

Ainda assim, houve um fator que me deixou pensando nos primeiros segundos de jogo: a aparição dos mesmos boss koopas do Super Mario World. Foi só vê-los que eu pensei: enfim, um desafio à altura do clássico de SNES; não foi o que aconteceu. O jogo, nesse ponto, é muito fácil – não só porque as fases em si são fáceis (elas são), mas porque há tantas moedas que é normal chegar a 100 vidas no terceiro ou quarto mundo.

Infelizmente, o sucessor de SMW ainda está por vir. Até lá, NSMB2 me manterá entretido por um bom tempo.

PONTOS POSITIVOS:

  • Conta com fórmulas antigas, com funcionamento garantido;
  • Tem os mesmos quebra-cabeças e desafios que se espera de um jogo desses.

PONTOS NEGATIVOS:

  • Previsível;
  • Fácil demais;
  • Não trás nada de novo á série.

NOTA: 7/10

Não esperem que esse jogo seja referenciado em críticas futuras – não há conteúdo significante o suficiente para que isso valha a pena. Ainda assim, esse é o jogo que ainda vai me entreter por alguns dias…

Anúncios